São Paulo: Por que será que enche?

By Edu, 26 de abril de 2009

Aproveitando o bom tempo, fomos dar uma volta a pé em McLean, VA. A pequena cidade fica próxima à capital Washington DC. Com o início da primavera, é incrível observar a quantidade de áreas verdes inseridas na cidade. A maioria das casas tem jardins com árvores e, além disso, pequenos parques são mantidos em meio a edifícios comerciais e shopping centers. É importante lembrar que estamos falando do maior centro de compras da região, um dos maiores dos EUA.

De dentro de um dos pequenos parques, é difícil para um paulista imaginar que estamos no meio de uma metrópole. As árvores e pequenos riachos parecem intocados, como se tivessem conseguido sobreviver às  intervenções humanas:

Parque em McLean

Estive em São Paulo em Março último e presenciei uma das maiores enchentes dos últimos tempos. Pela TV, carros cobertos até o teto e pessoas sendo resgatadas por helicópteros. O caos generalizado foi imediatamente atribuído ao atual prefeito. Será mesmo que a culpa pode ser concentrada em uma pessoa? Quem sabe a culpa não é de todos, por ter permitido que o crescimento desequilibrado resulte em situações caóticas como a vivida no mês passado?

Ao retornar aos EUA, minha maior curiosidade foi tentar comparar as duas áreas, em termos de permeabilidade. A quantidade de cimento e concreto utilizada em São Paulo é conhecida por nós, mas como comparar com outras áreas do mundo? A solução mais fácil e rápida foi utilizar o Google Maps:

Tyson´s Corner
Parque do Ibirapuera

Num primeiro momento, achei que tinha cometido um erro e que as escalas utilizadas estavam incoerentes. Não. As duas imagens representam a mesma distância (2000 pés). Lado a lado, a diferença é notável: No primeiro caso, Tyson´s Corner, as áreas verdes estão presentes de forma equilibrada em diversas regiões. No segundo caso, São Paulo, temos o grande triângulo verde formado pelo Parque do Ibirapuera, e quantidade mínima de áreas verdes em outras regiões. O cinza que conhecemos é o mesmo visto de cima. A noção de permeabilidade, que parece tão simples, é intrigante nesta comparação.

Criticar ou achar culpados é fácil, o maior desafio é entender os erros do passado e olhar para frente e tentar corrigí-los da melhor forma possível. Isto está acontecendo em Tyson´s Corner neste momento, onde grandes obras estão sendo feitas para melhorar a vida de pedestres e ciclistas, uma das deficiências da área, que foi concebida para automóveis. No caso de São Paulo, como fazer, e principalmente, por onde começar?

Facebook Comments